GRAVIDEZ PSICOLÓGICA ou PSEUDOCIESE

Alguns animais desejam tanto emprenhar, ou temem tanto a prenhez por um medo inconsciente e acabam apresentando quadro clínico de pseudociese: a falsa crença de estar prenhe associada com sinais objetivos de prenhez. Sintomas típicos: há aumento do volume do abdômen, náuseas, vômitos, sensação subjetiva de que o bebê está se mexendo, o animal geralmente fica mais apático ou abatido e até aumento das mamas com secreção de leite. A amenorréia (ausência de menstruação) é um sinal característico.

Para a psiquiatria, a pseudociese é classificada como um transtorno somatoforme sem outra especificação. O que caracteriza um transtorno somatoforme é a presença de sintomas físicos que sugerem uma condição médica geral (daí, o termo somatoforme), porém não são completamente explicados por uma condição médica geral, pelos efeitos diretos de uma substância ou por um transtorno mental (por ex., Transtorno de Pânico). Os sintomas físicos apresentados são involuntários, não estando sob o controle da paciente. O Eixo Hormonal formado por hipotálamo, hipófise (glândula do cérebro) e ovários é muito influenciado pelo estresse e por estados emocionais como ANSIEDADE e DEPRESSÃO.

O hipotálamo produz o GnRH (hormônio liberador de gonadotrofinas) e o PIH (hormônio inibidor da Prolactina-PRL) . O GnRH atinge a hipófise, que em resposta libera as gonadotrofinas FSH (hormônio folículo-estimulante) e LH (hormônio luteinizante). Em linhas bem gerais: o FSH é responsável pelo amadurecimento dos folículos ovarianos, tem pico na primeira fase do ciclo menstrual (folicular ou proliferativa) e tem uma íntima relação com a produção do estrogênio (hormônio feminino) nos ovários. Já o LH, leva à ovulação e ao desenvolvimento do corpo lúteo, tendo pico na segunda fase do ciclo menstrual, conhecida como fase secretora, e tem relação com a progesterona.

Por sua vez, os hormônios produzidos pelos ovários ESTROGÊNIOS - são capazes de inibir as secreções da hipófise e hipotálamo, mecanismo conhecido na medicina com o nome de 'feed-back negativo'. É claro que o processo é muito mais complexo e abrangente, porém, tais explicações básicas são necessárias às pessoas leigas, a fim de que possam entender a relação entre anovulação (ausência de ovulação) como ocorre na pseudociese, e fatores emocionais.

Na pseudociese, podem-se detectar níveis elevados de LH e Prolactina (também é um hormônio produzido pela hipófise). Isso ocorre porque nas cadelas com PSEUDOCIESE há uma redução da atividade do neurotransmissor dopamina (um mensageiro químico cerebral) que tem por função a inibição dos pulsos hipotalâmicos de GnRH e também inibir a secreção de Prolactina (PRL) pela hipófise. Portanto, na ausência de tais inibições exercidas pela dopamina, aumenta-se, conseqüentemente, o LH e a Prolactina, sinais clínicos típicos da PSEUDOCIESE. O estresse vivenciado por tais pacientes tem este poder de alterar aspectos neuroendócrinos.

Há também outras hipóteses para a PSEUDOCIESE: a disfunção de beta-endorfinas, que também podem levar a uma diminuição dos pulsos de secreção do GnRH. Atividades físicas exacerbadas (fêmeas atletas) e o uso de certos medicamentos como calmantes podem impedir a ovulação. A desnutrição e a anorexia nervosa também interferem. São também fatores agravantes e causadores da PSEUDOCIESE.

Uma pesquisa clínica extensa sempre se faz necessária em tais pacientes, para a exclusão de outros distúrbios hormonais, de tumores do sistema nervoso central, ovário e útero, além de doenças raras da hipófise como a Síndrome de Sheehan (necrose do tecido hipofisário).

Dentre tantas questões biológicas significantes, não podemos nos esquecer dos aspectos PSICOLÓGICOS, que podem estar envolvidos também na pseudociese. Essas cadelas podem ter um ego frágil. Ou seja, mesmo sendo ANIMAIS ativos, inteligentes e dinâmicas no dia-a-dia, podem sentir um enorme sentimento de vazio e insegurança, precisando de reforços positivos de terceiros. Baixa autoestima provavelmente adquiridas na infância, podendo ser por separações cedo dos pais, etc.


 

Rua Mateus Leme, 3312  São Lourenço, Curitiba-PR

telefones: 3253-6008 e 8495-3907

  Site Map