Banho e tosa: informações adicionais


O momento do banho para seu pet deve ser algo divertido e prazeroso. Para isso todos os cuidados devem ser tomados, para manter a saúde física e psicológica deles durante este momento.  Como há um grande fluxo de cães e gatos em Pet Shops não se sabe o histórico vacinal de todos, e neste caso doenças infecciosas e parasitárias podem se disseminar mais facilmente.  Portanto, se seu animal freqüenta banhos semanalmente, mantenha-o sempre com vacinas e antipulgas atualizados (de modo
preventivo).    

Saiba de alguns cuidados que você deve tomar ou se informar quando for levar seu animalzinho, seja cão ou gato pra banho: 

  • Quais são os produtos utilizados? Alguns proprietários preferem trazer xampus e toalhas dos animais. Sendo a pele o maior órgão do organismo, merece uma atenção especial. Dê preferência a xampús neutros, específicos para espécie (canina ou felina) e de boa qualidade. Deve-se tomar cuidado com  as mucosas: olhos, vulva, pênis, ânus e boca, pois são áreas mais sensíveis e facilmente irritáveis. A espuma deve ser esfregada nos cães de pelo curto, porém nos de pelo longo deve ser somente espalhada, para evitar embaraçar os pelos com a fricção. Em algumas raças de pelo curto, a lavagem contra o sentido do crescimento do pelo pode induzir a foliculite pós-banho. Banhos medicamentosos (com Peróxido de Benzoíla, Clorexidine, Amitraz, Cetoconazol, Piretróides, Enxofre etc.) só devem ser administrados sob prescrição do Médico Veterinário pois mesmo sendo xampus, existem contra-indicações! Vale lembrar também que nem todos os xampús usados em cães podem ser utilizados em gatos!
  • Temperatura ideal da água e do secador: devem estar adequados para evitar queimaduras na pele e pelo do animal. Secadores muito próximos à pele, tempo de exposição excessivos em máquinas de secar animais. Cães alérgicos precisam de temperaturas mais amenas, próxima a fria, pois sua pele é mais sensível que de outros animais.
  • Ouvidos: devem ser protegidos para evitar que  água e/ou xampú entre dentro do conduto, o que pode causar otites. O ideal é utilizar  algodão hidrofóbico ou parafinado dentro do conduto auditivo, que funciona como barreira a entrada da água, lembrando sempre de remover o mesmo após o banho. Quanto aos cães que possuem pêlos dentro do ouvido: cada caso é um caso. Consulte sempre seu veterinário antes de remover os pelos de dentro dos ouvidos.
  • Glândulas Adanais: cães e gatos possuem 2 glândulas localizadas lateralmente ao ânus, que em situações de estresse para o animal (medo) as glândulas secretam uma substância com odor fétido que serviria para afastar o inimigo. Não recomendamos apertar as glândulas antes nem após o banho. O ato de comprimir manualmente as glândulas estimula ainda mais a produção de secreção, o que pode gerar problemas em longo prazo. Impactações, etc.
  • Elásticos que prendem a franja do cão: fique atento se o elástico (laços ou gravatas) não está muito apertado e/ou muito rente a pele do animal. Em alguns casos o atrito do elástico com a pele pode produzir uma perda de pêlos permanente do local, assim como predispor a algumas dermatites de contato, que poderá ser agravada por infecções bacterianas secundárias.

E o mais importante, COMO o seu animal é tratado durante o banho: animais que se estressam com facilidade, que se tornam cianóticos nessas situações (pela dificuldade respiratória as mucosas tornam-se azuladas, arroxeadas), devem ser manipulados com cuidado, evitando ao máximo estresse e manipulação desnecessária. Animais agressivos que não permitem serem manipulados, podem precisar de sedação, acompanhada pelo Médico Veterinário.


        


 

Rua Mateus Leme, 3312  São Lourenço, Curitiba-PR

telefones: 3253-6008 e 8495-3907

  Site Map